Estudos colocam cloro em destaque no combate às bactérias resistentes aos antibióticos

As propriedades desinfetantes e a eficácia de compostos formados por cloro contra bactérias e vírus são conhecidas há séculos e novas aplicações com essa finalidade são cientificamente investigadas até hoje.

O controle de doenças bacterianas em tratamentos médicos e na agricultura é uma demanda que, recorrentemente, conflita com filões desses micro-organismos que desenvolvem resistência aos antibióticos.

Ensaios científicos recentes, com artigos publicados na Biblioteca Nacional de Medicina (NIH – USA) apontaram que o dióxido de cloro é eficaz na inativação de bactérias resistentes a antibióticos no solo.

Segundo o trabalho, relevante para a qualidade de produtos agrícolas, uma mistura de concentração de 5 mg de dióxido de cloro por litro de água é capaz de matar 99% das bactérias resistentes antibióticos como penicilina, amoxicilina e estreptomicina.

A pesquisa foi realizada com terra recolhida no entorno de um galinheiro e o objetivo era encontrar um meio de quebrar o ciclo de vida de bactérias disseminadas no solo, especialmente a staphylococcus aureus, uma das mais resistentes e comumente encontrada em propriedades rurais.

“A nossa saúde tem uma relação secular com o uso do cloro e as pesquisas seguem identificando novas aplicações. Um exemplo marcante para o Brasil é a capacidade da água sanitária (hipoclorito de sódio) de exterminar as larvas do mosquito aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue”, ressalta Milton Rego, presidente executivo da Associação Brasileira da Indústria de Álcalis, Cloro e Derivados (Abiclor).