Atividade industrial registra queda em maio, aponta CNI

Atividade industrial apresentou redução em maio ante abril, com declínio de nas horas trabalhadas na produção e redução na utilização da capacidade instalada (UCI). Apesar dos números negativos, as horas trabalhadas ainda se encontram em nível similar ao observado em fevereiro de 2020, antes da crise de Covid-19, e a UCI se encontra em patamar ainda superior ao observado nesse período, segundo a pesquisa Indicadores Industriais, da Confederação Nacional da Indústria (CNI).


O emprego na indústria de transformação registrou crescimento de 0,5% em maio, o décimo consecutivo, na comparação com fevereiro, na série livre de efeitos sazonais. “Essa variação mensal é forte para o indicador, e foi observada pela última vez em 2010”, diz a economista da CNI, Maria Carolina Marques.


A massa salarial real apresentou retração de 0,8% em maio, em comparação com abril. A retração vem após dois meses de crescimento na massa salarial. Embora tenha oscilado, apresenta tendência de alta, acompanhando o crescimento do emprego. No ano, a massa salarial ainda apresenta crescimento acumulado de 1,7%.


O faturamento real da indústria de transformação aumentou 0,7% entre abril e maio, na série livre de efeitos sazonais. Mas, o indicador vem oscilando entre altas e quedas desde o início de 2021. “Apesar disso, já se pode afirmar que o indicador assume uma tendência de queda, pois as altas não têm compensado as retrações e o indicador se encontra 3,3% menor que em janeiro de 2021”, afirma a economista da CNI.

Fonte: Agência de notícias CNI