Abiclor e Instituto Trata Brasil discutem cooperação em prol do saneamento básico

A universalização do saneamento básico no Brasil é uma agenda urgente: atualmente, 16% dos brasileiros não têm acesso à água tratada e quase 100 milhões de pessoas (45%) não contam com o serviço de coleta de esgoto. Os impactos para a saúde pública e para o desenvolvimento socioeconômico nacional são graves. Para discutir a importância das instituições setoriais e da sociedade civil na promoção de soluções para o saneamento, o presidente-executivo da Associação Brasileira da Indústria de Álcalis, Cloro e Derivados – Abiclor, Milton Rego, e a CEO do Instituto Trata Brasil, Luana Siewert Pretto, reuniram-se no dia 2 de maio.

A Abiclor e o Trata Brasil têm se posicionado de forma congruente sobre os desafios de infraestrutura que impactam na implantação desses serviços. Os executivos concordam que o ano de 2022 é estratégico. Com o saneamento básico assegurado pela Constituição e agora regulamentado pela Lei 14.026 de 2020, as melhorias das redes de distribuição de água e esgoto começa a se materializar. “Ainda há um longo caminho para que a meta de acesso universal até 2033 seja atingida, mas as condições para que isso aconteça estão se tornando mais favoráveis”, afirma Milton Rego.

A indústria química nacional é peça chave para o futuro do saneamento básico. O setor deve passar por um ciclo de aumento da demanda por produtos químicos e equipamentos. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) elaborou estudo para quantificar a importância do setor químico neste cenário: serão necessários pelo menos 410 mil quilômetros de tubos (PVC, PEAD, concreto e ferro fundido), o equivalente a 64 vezes a extensão da costa brasileira. O PVC (policloreto de vinil) tem o peso composto por 57% de cloro (Cl) e 43% de eteno (C2H4), ou seja, a ampliação ou reorganização da capacidade de produção de tubos de PVC requer a participação da indústria cloro-álcalis. Além disso, o tratamento da água e do esgoto também demandam cloro e seus derivados.

Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todas e todos é um dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU). A Abiclor acredita que a concretização desses objetivos é uma responsabilidade coletiva, por isso vê com muito interesse o estreitamento de relações com o Trata Brasil – instituto cuja atuação nessa área é amplamente reconhecida. As duas entidades avaliam a realização de ações conjuntas já nos próximos meses.