Cadeia produtiva da indústria de cloro-álcalis injeta mais R$ 7,5 bilhões na economia brasileira

A contribuição da indústria brasileira de cloro-álcalis para o desenvolvimento econômico e social do Brasil vai muito além da geração de renda, empregos e impostos, como mostra o Balanço Socioeconômico da Indústria de Cloro-Álcalis Brasil 2020, elaborado pela Ex Ante Consultoria.

Estima-se que, em 2019, para cada real de valor adicionado pela indústria de cloro-álcalis, tenham sido gerados outros R$ 2,30 nos demais setores a montante da economia brasileira que são demandados por essa indústria. Tomando por base a renda dessa indústria em 2019, que foi de R$ 2,294 bilhões, foram criados R$ 5,270 bilhões a mais de renda no país, da indústria extrativa até os serviços. Os R$ 7,564 bilhões gerados equivalem a 1,1% do PIB industrial.

O Balanço Socioeconômico revela ainda que a renda da indústria de cloro-álcalis foi gerada por 1.440 empregos diretos – cada trabalhador adicionou à economia R$ 1,593 milhões em 2019. Além de emprego, a indústria foi responsável ainda pela criação de outros 11,6 mil postos de trabalho especialmente em quatro setores: serviços prestados às empresas, comércio, extrativa mineral e serviços industriais de utilidade pública.

Apesar de não ser intensiva em mão de obra, a indústria de cloro-álcalis se distingue pela elevada qualidade dos empregos gerados. O salário médio, de R$ 6,6 mil mensais, é três vezes maior na comparação com os demais setores. A jornada dos profissionais também é menor do que na indústria de transformação: 40 horas semanais ante 43 horas, respectivamente.

“De tudo o que a indústria do cloro-álcalis adiciona de valor à economia, quase 40% retorna diretamente para a sociedade, seja na forma de impostos e contribuições, seja como pagamento de salários e encargos trabalhistas ou em benefícios concedidos aos funcionários”, afirma o diretor executivo da Abiclor, Martim Afonso Penna.

Considerando-se todos os impostos diretos e indiretos presentes nos produtos da indústria de cloro-álcalis, independentemente de terem sido arrecadados pelas empresas do setor ou por algum de seus fornecedores, estima-se que tenham sido coletados R$ 4,595 bilhões aos cofres municipais, estaduais e federal. A folha de pagamento do setor alcançou R$ 177 milhões, sendo R$ 124 milhões de salários e remunerações e R$ 53 milhões de contribuições sociais.