Déficit recorde em produtos químicos expõe necessidade urgente de uma Política Industrial para o Brasil

Segundo dados da Abiquim (Associação Brasileira da Indústria Química), o  déficit acumulado da balança comercial brasileira de produtos químicos atingiu recorde de US$ 8,1 bilhões nos dois primeiros meses de 2022, o que representa um crescimento expressivo de 49,4% em relação ao mesmo período do ano passado, que havia sido de US$ 5,4 bilhões.

Nos dois primeiros meses do ano, as importações de produtos químicos totalizaram mais de US$ 10,6 bilhões, avançando 47,8% em relação ao mesmo período de 2021. Considerando toda a série histórica de acompanhamento da balança comercial setorial, esse é o maior patamar de aquisições para os dois primeiros meses do ano.

Já as exportações apresentaram um aumento de 43% na mesma comparação, alcançando o valor de pouco mais de US$ 2,5 bilhões. Ambos os resultados foram fortemente influenciados pelos aumentos de 63,1% nos preços dos produtos químicos importados pelo Brasil e de 44,5% daqueles exportados pelo País para seus parceiros comerciais.

No mês de fevereiro, as importações de produtos químicos foram de praticamente US$ 5,6 bilhões, aumento de 52,3% em relação ao mesmo mês no ano passado e de 10,5% na comparação com janeiro de 2022. Já as exportações, de praticamente US$ 1,3 bilhão, em fevereiro, cresceram respectivamente 43,2% e 1,8% em iguais comparações.

Nos últimos 12 meses, o déficit em produtos químicos somou US$ 48,7 bilhões (março de 2021 a fevereiro de 2022), estabelecendo-se um novo recorde para tal indicador em bases anualizadas, o qual tende a se agravar, já no curto prazo, com conjugação de efeitos da confirmação da tendência de novos e elevados patamares dos preços de importados, dos danosos impactos para a produção nacional decorrentes da suspensão de efeitos do Regime Especial da Indústria Química – REIQ e da possibilidade de severos desbalanceamentos na oferta internacional de insumos estratégicos no contexto da guerra na Europa.

Segundo a Abiquim, o delicado momento das relações internacionais expõe a vulnerabilidade estratégica do Brasil decorrente da elevada dependência de insumos e matérias-primas que poderiam ser fabricadas no País em condições competitivas mais favoráveis, demonstrando a necessidade imediata de uma Política Industrial, desenvolvida a partir de uma Estratégia de Estado com visão de longo prazo, que fortaleça a competitividade das produções instaladas e atraiam novos investimentos. Ainda de acordo com a associação, nesse contexto, a recondução do REIQ e o estabelecimento do Plano Nacional de Fertilizantes são medidas urgentes e indispensáveis para a indústria e para toda a sociedade.