Volta à piscina requer cuidados redobrados

Com o afrouxamento da quarentena em algumas cidades do Brasil, as pessoas retornam as suas atividades nas piscinas. Porém, para um retorno seguro, seja em relação ao tratamento químico do como a água como por as questões sanitárias por causa da covid-19,  é preciso reforçar os cuidados.  A água da piscina tratada não transmite o coronavírus, mas a aglomeração pode ser uma fonte de contaminação. Confira:

  • Banhistas devem manter distanciamento de pelo menos 1 metro um do outro.
  • Higienizar móveis como cadeiras, mesas e superfícies constantemente.
  • Se a piscina ficou sem uso no período de quarentena, é preciso fazer um tratamento de choque, a chamada supercloração, e a clarificação para eliminar materiais orgânicos que tenham se acumulado no período.
  • Ajuste o pH na faixa de 7,2 a 7,6
  • Ajuste a alcalinidade na faixa de 80 a 120 ppm.
  • Adicioner cloro na proporção indicada para manutenção (1 a 3 ppm) 1 vez por semana, aumentando a dosagem e aplicação se houver uso da piscina, verificando o cloro livre com o kit de testes.

Caso o tratamento tenha sido abandonado por longo tempo é importante fazer muitas retrolavagens do filtro (alto teor de impurezas em suspensão na água), a ordem acima deve ser seguida para evitar perdas de água tratada. Mas se a água está razoavelmente limpa e não requer retrolavagens de filtro, pode-se inverter a ordem acima, o que permitirá liberar a piscina para os banhistas em tempo mais curto.