Piscina Limpa na mídia

Piscina Limpa é assunto sério! Veja a reportagem de Patrícia Kappen, do G1, investigando o assunto. A pesquisa do Piscina Limpa também está nela, confiram!

Xixi em piscinas aumenta preocupação com limpeza da água no verão

Tratamentos na água precisam ser eficazes para conter contágio. Diarreia e hepatite podem aparecer depois de mergulho.

Rio – Dois dos maiores nadadores da história César Cielo e Michael Phelps já admitiram: fazem xixi na piscina. E em tempos de calor forte no Rio, com termômetros marcando 40 graus ou mais, todo mundo fica louco para dar um mergulho, seja na piscina do clube ou em casa. Por isso, mesmo que você não esteja mergulhando na piscina onde Phelps ou Cielo treinam, é preciso ficar de olho em um detalhe neste verão: a água em que você mergulha está limpa?

Segundo especialistas, a causa de algumas doenças pode ser encontrada na piscina. “A hepatite, por exemplo. Basta que uma criança com hepatite urine em uma piscina e a outra beba daquela água”, afirmou o pediatra Ezequiel Dias Neto, dando também como exemplo a gastroenterite.

“A melhor maneira de previnir é evitar de ir à piscina doente. Mas isso nem sempre as pessoas sabem ou identificam a doença. O tratamento da água é feito para tentar eliminar essas doenças”, afirmou o toxologista Flávio Zambrone.

Pesquisa: 22% fazem xixi na água

Numa pesquisa feita em dezembro de 2009 no blog da Associação Brasileira da Indústria de Álcalis, Cloro e Derivados (Abiclor), 22% internautas admitiram fazer xixi na piscina e 54% disseram que fizeram xixi na água quando eram crianças.

De olho nesses dados está a Vigilância Sanitária do Rio. Todo ano, uma equipe de cerca de 15 funcionários faz vistorias em piscinas, à procura de irregularidades na água. “O que tem de problema em água de piscina é o cloro. A maioria dos clubes não consegue equilibrar, porque o cloro evapora com facilidade”, explicou o engenheiro Fábio Araújo, da superintendência de locais e ambientes da subsecretaria da Vigilância Sanitária do município.

Em alerta para o perigo, clubes, hotéis e academias estão com um olho na água e outro nos banhistas, já que, segundo Flávio, quem está com diarreia não pode entrar na água. “O usuário também tem que saber que ele pode transmitir doenças”, disse.