Cloro, cloro ativo, cloro residual livre…Qual a diferença?

Selecionamos um mini glossário para você conhecer um pouco mais sobre esses nossos aliados na limpeza e manutenção de piscinas:

Cloraminas – Subprodutos resultantes da reação do cloro com matérias orgânicas como suor, urina, cremes e outro resíduos presentes na água.    Elas aparecem quando a quantidade de cloro é inadequada e são as responsáveis pelo famoso “cheiro de piscina”, causando irritações nas vias respiratórias em  pessoas mais suscetíveis. Vale lembrar que piscinas tratadas corretamente não têm odor.

Cloração de choque ou supercloração – Como o nome já diz é a adição de cloro à água em quantidade acima do normal para tratamento de piscinas em valores acima de 10 ppm (partes por milhão). É usado para eliminar as matérias orgânicas e cloraminas presentes na água.

Cloro ativo – É um valor que indica, em porcentagem, a quantidade de cloro em uma substância que pode formar ácido hipocloroso quando dissolvido em água. Esse ácido é o verdadeiro agente desinfetante, independentemente do composto original de cloro que adicionamos à água da piscina.

Cloro residual livre – Quando fazemos a cloração da água, parte do cloro é consumida em reações com substâncias orgânicas e inorgânicas normalmente presentes na água da piscina, e parte é consumida na destruição de microorganismos. Ao final desse processo, deve sobrar um residual de cloro, chamado de cloro residual livre, que protege a piscina contra novas contaminações.