A sua piscina está pronta para o verão? Veja algumas dicas

Com a chegada do verão,  o uso frequente da piscina requer cuidados redobrados para que a água fique sempre limpa e saudável. Sem os cuidados certos, a piscina torna-se um campo fértil para a proliferação de vírus, fungos e bactérias. “Com os procedimentos indicados de limpeza e o cloro adicionado da forma correta, a piscina fica permanentemente nas condições ideais para uso, sem risco de contágio para o usuário”, comenta Martim Penna, diretor-executivo da Associação Brasileira de Cloro, Álcalis e Derivados (Abiclor).

O cloro é usado há mais de um século como desinfetante de água de piscinas. As suas características eficazes do cloro fazem com que o produto seja um dos principais componentes para manutenção da limpeza. O cloro atua como um rápido e persistente sanitizante (desinfetante), é um algicida efetivo, ou seja, combate a proliferação de algas e é forte oxidante, pois elimina materiais orgânicos que podem alterar a cor da água, gerar odores ou formar limo.

A rotina diária da limpeza inclui os seguintes procedimentos:

  • Filtragem da água, por aproximadamente duas horas. A bomba ligada ao filtro estimula a movimentação e faz com que toda água da piscina chegue aos filtros para reter as impurezas.
  • Análise do teor residual de cloro livre, que deve estar na faixa de 1 a 3 ppm. A eficácia do cloro como desinfetante ou oxidantes depende de outro fator de controle, o pH. A recomendação para manter o nível de pH deve ser entre 7,2 e 7,6, diariamente.
  • Controle da alcalinidade – Uma vez por semana, a alcalinidade da água deve ser medida, devendo ficar na faixa entre 80 e 120. Se estiver fora desse padrão, é preciso corrigir por meio de produtos indicados, conforme orientação do fabricante.
  • Supercloração –  A cada 15 dias deve ser realizada a supercloração, ou seja, a dosagem do cloro deve ser três vezes superior à dosagem habitual de manutenção, aproximadamente 10 ppm de cloro livre, de 1 a 4 horas, conforme recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS). Indica-se fazer a supercloração depois do pôr do sol, visto que os raios ultravioletas do sol destroem o cloro ativo.