FGV: Confiança empresarial recua 2,2 pontos e sinaliza tendência de desaceleração da economia

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) da Fundação Getúlio Vargas (FGV IBRE), divulgado nesta segunda-feira (1), registrou queda 2,2 pontos em janeiro, para 93,0 pontos. Em médias móveis trimestrais, o indicador manteve a tendência de baixa iniciada no mês passado e diminuiu 1,4 ponto.

“O recuo mais intenso da confiança empresarial em janeiro sinaliza a consolidação da tendência de desaceleração da atividade econômica esboçada no mês anterior”, afirma Aloisio Campelo Jr., superintendente de Estatísticas da FGV IBRE. Segundo ele, o índice que mede a situação atual dos negócios (ISA) caiu de forma consistente pela primeira vez desde abril passado e o índice que mede as expectativas em relação aos meses seguintes (IE) recuou pelo quarto mês seguido. “Até a indústria, que vinha sustentando ótimos resultados, sinaliza alguma desaceleração para o restante do primeiro trimestre. No extremo oposto, o setor de Serviços continua com dificuldades para reagir e volta a registrar o menor nível de confiança entre os quatro setores pesquisados”, avalia.

A confiança de todos os setores que integram o ICE recuou em janeiro. A Indústria, que vinha de oito altas consecutivas, recuou 3,6 pontos no mês, com quedas semelhantes dos indicadores de situação atual e de expectativas. Após um repique positivo no mês anterior, a confiança do setor de Serviços e da Construção volta a ceder, também com quedas nos dois horizontes de tempo da pesquisa. Apenas a confiança do Comércio, teve recuo motivado inteiramente pela piora da situação presente, informa a FGV.

Os índices Situação Atual Empresarial (ISA-E) e Expectativas (IE-E) apresentaram queda de 2,7 pontos, para 95,1 pontos, e  de 0,6 ponto, para 93,7 pontos,  respectivamente.

Fonte: FGV IBRE