Home / Noticias / Doenças causadas por falta de saneamento respondem por 41 mil internações no 1º trimestre, mostra estudo

Doenças causadas por falta de saneamento respondem por 41 mil internações no 1º trimestre, mostra estudo

O Brasil poderia ter 13.712 leitos disponíveis por mês durante a pandemia de coronavírus, se não houvesse internações por doenças causadas pela falta de saneamento. Esta é a conclusão do Ranking ABES da Universalização do Saneamento, divulgado este mês pela  Associação Brasileira de   Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES).

Segundo o estudo, foram mais de 40 mil internações nos meses de janeiro, fevereiro e março. Foram avaliados dados de 1.857 municípios, representando cerca de 70% da população do país, com informações dos municípios brasileiros fornecidas ao SNIS – Sistema Nacional de Informações de Saneamento – para o cálculo de cada um dos cinco indicadores utilizados no estudo. As 27 capitais brasileiras estão presentes no ranking da ABES.

No primeiro trimestre do ano, o Brasil registrou mais de 41.136 internações por  Doenças Relacionadas ao Saneamento Ambiental Inadequado (DRSAI) de transmissão feco-oral. Essas internações ocuparam, em média, 4,2% dos leitos SUS no período, por cerca de 3 dias e custaram R$ 16 milhões aos cofres públicos .As regiões Norte e Nordeste apresentaram os maiores percentuais de ocupação no trimestre: 7,3% e 6,9%, respectivamente.

“O saneamento, que já havia entrado na pauta política e da mídia e nas discussões da sociedade, tem agora sua importância ainda mais evidente, com a pandemia de covid-19. Temos que insistir na informação de que saneamento é saúde”, afirma o presidente da ABES, Roberval Tavares de Souza.   

 

 

Veja também

Produção da indústria química cai pelo segundo mês seguido

A produção da indústria química caiu 1,92% em maio, após queda de 19,35% em abril. …