Home / Noticias / IBGE: produção industrial sobe 1,6% no ano

IBGE: produção industrial sobe 1,6% no ano

Em setembro de 2017, a produção industrial nacional teve acréscimo de 0,2% frente a agosto, na série com ajuste sazonal, após recuar 0,7% em agosto.

Na série sem ajuste sazonal, no confronto com igual mês do ano anterior, a indústria cresceu 2,6% em setembro de 2017, após também registrar taxas positivas em maio (4,4%), junho (0,8%), julho (2,8%) e agosto (3,9%). Assim, os índices do setor industrial foram positivos tanto para o fechamento do terceiro trimestre de 2017 (3,1%), como para o acumulado dos nove meses do ano (1,6%), ambas as comparações contra iguais períodos do ano anterior.

A taxa acumulada nos últimos doze meses avançou 0,4% em setembro de 2017, seu primeiro resultado positivo desde maio de 2014 (0,3%), prosseguindo na trajetória ascendente iniciada em junho de 2016 (-9,7%).

A publicação completa da pesquisa pode ser acessada aqui.

De agosto para setembro, 8 dos 24 ramos pesquisados apresentaram alta

Entre agosto e setembro, houve taxas positivas em duas das quatro grandes categorias econômicas e em 8 dos 24 ramos pesquisados. As principais influências positivas foram coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (6,7%) e produtos alimentícios (4,1%). Outras contribuições positivas vieram de indústrias extrativas (1,0%) e de veículos automotores, reboques e carrocerias (1,0%).

Entre os dezesseis ramos que reduziram a produção nesse mês, os desempenhos de maior relevância foram produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-20,9%) e perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal (-6,1%).

Outros impactos negativos importantes foram observados nos setores de produtos do fumo (-15,5%), de produtos diversos (-6,0%), de produtos de metal (-1,6%) e de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados (-3,6%).

 

Fonte: IBGE

Veja também

Abiclor realiza amanhã, dia 9, XII Encontro de Distribuidores e XX Encontro de Transporte

  Transporte seguro, atendimentos de emergência e gerenciamento de risco em rodovias, análise do perfil ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *