Home / Sem categoria / Epidemia de chicungunha pode afetar metade dos cariocas neste verão

Epidemia de chicungunha pode afetar metade dos cariocas neste verão

O secretário de Saúde do Rio de Janeiro, Carlos Eduardo de Mattos, advertiu, nesta segunda-feira, sobre a possibilidade de mais de três milhões de cariocas serem infectados numa epidemia de chicungunha neste verão. O alerta ocorreu por indicação de pesquisadores da Fiocruz. Em 2016, foram registrados quase 14 mil casos de chicungunha na capital fluminense e dez pessoas morreram.

Em entrevista ao jornal O Globo, o médico José Augusto Britto, coordenador da Rede Dengue, Zica e Chicungunha da área de Atenção à Saúde da Fiocruz, informou que análises apontam para um aumento do número de registros da doença, o que leva a uma previsão de risco de infecção de no mínimo 30%, podendo chegar a 50% da população geral (adultos e crianças)

O nível de infestação de domicílios pelo mosquito transmissor do vírus chegou ao total de 0,8% no município do Rio, de acordo com o último Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes Aegypti (LIRAa). Em algumas regiões da cidade, como a Zona Oeste, o percentual está acima de 1%.

O secretário alerta também para a possibilidade da doença se tornar crônica, o que poderá levar as pessoas a procurar hospitais por até três anos.

MAIS AGRESSIVA QUE A ZIKA

Segundo o secretário Carlos Eduardo, a doença é mais agressiva que a zika e ataca de imediato as articulações. A dor é insuportável, deixando o enfermo corcunda –  daí o nome Chicungunha. De acordo com o especialista da Fiocruz, a pessoa infectada precisa ficar em repouso por 15 dias de imediato, sem fazer qualquer esforço; caso contrário, pode demorar até três anos para que não perceba mais os sintomas da doença.

Diante dos riscos, duas medidas estão sendo adotadas. A primeira é o estabelecimento de protocolos clínicos e laboratoriais de atendimento às pessoas infectadas. A outra é a escolha de unidades de saúde que concentrarão as informações sobre a doença. Além disso, de acordo com o Diário Oficial do Município, uma das primeiras medidas do prefeito Marcelo Crivella será a limpeza de terrenos baldios ou de particulares onde haja focos do inseto.

Veja como a água sanitária ajuda no combate ao mosquito

Veja também

Assista ao vídeo assinado pela Associação dos Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *