Home / Noticias / Déficit comercial em produtos químicos soma US$ 28,1 bilhões nos últimos 12 meses

Déficit comercial em produtos químicos soma US$ 28,1 bilhões nos últimos 12 meses

O Brasil importou US$ 3,2 bilhões em produtos químicos no mês de agosto. O valor representa uma expressiva redução de 19,9% em relação a julho deste ano e de 26,9% na comparação com agosto de 2014. Em termos de volumes importados, a queda foi ainda mais significativa, de 30,4% em relação a julho e de 34,8% na comparação com agosto de 2014. Já as exportações, de US$ 1,1 bilhão em agosto, registraram queda de 17,4% na comparação com julho e de 11,1% em relação ao mesmo mês de 2014.

No acumulado do ano, as compras externas de produtos químicos somam US$ 25,9 bilhões, redução de 13,0% frente ao mesmo período de 2014. O volume de importações, de 21,5 milhões de toneladas, foi 16,1% menor, na mesma comparação.  As exportações, por sua vez, alcançaram US$ 8,7 bilhões, valor 8,7% abaixo daquele registrado entre janeiro e agosto de 2014. O déficit na balança comercial de produtos químicos, até agosto, chegou a US$ 17,3 bilhões, valor 15,1% inferior ao registrado em igual período de 2014. Nos últimos 12 meses (setembro de 2014 a agosto deste ano), o déficit comercial atingiu a marca de US$ 28,1 bilhões, redução de 9,8% em relação ao déficit de US$ 31,2 bilhões em 2014.

Para a diretora de Assuntos de Comércio Exterior da Abiquim, Denise Naranjo, o atual patamar elevado de preços dos produtos químicos importados e o momento econômico delicado de redução da atividade industrial nacional e de perspectivas nada otimistas até o final do ano explicam, em grande parte, os fortes recuos do fluxo de comércio do setor no País. “ Em agosto do ano passado, a estimativa era de que o déficit para o acumulado de 2014 seria em torno de US 31,5 bilhões. Nos últimos 12 meses (setembro de 2014 a agosto de 2015), esse indicador somou US$ 28,1 bilhões. Está claro que o cenário econômico instável e que os elevados níveis de preços dos produtos químicos importados foram decisivos para a retração do déficit setorial e, até o final do ano, a forte desaceleração do real frente ao dólar e os reflexos de novas medidas de ajustes fiscais deverão impactar ainda mais os indicadores do fluxo do comércio exterior brasileiro de produtos químicos”, destaca Denise.

Veja também

Abiclor participa da reunião da Câmara Ambiental da Indústria Química e Petroquímica da Cetesb

O diretor-executivo da Abiclor, Martim Afonso Penna, e o assessor, Nelson Felipe, além do consultor técnico, ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *