Home / Noticias / Empresas ajudam a combater epidemia de diarreia em Alagoas

Empresas ajudam a combater epidemia de diarreia em Alagoas

O setor de cloro e soda se uniu ao governo de Alagoas para enfrentar o surto de diarreia que atingiu o estado, causando a morte de 56 pessoas e deixando 80 mil doentes. A Beraca atendeu ao chamado da Associação Brasileira da Indústria de Alcalis, Cloro e Derivados (Abiclor) e fez uma doação de 16 mil pastilhas efervescentes de cloro à Secretaria de Saúde de Alagoas. Fabricadas exclusivamente para o caso alagoano, cada pastilha, de  5 gramas, é suficiente para torna próprio para o consumo 2.500 litros de água.  A Braskem contribuiu com doação de hipoclorito de sódio, além de material de apoio.

“Como fabricantes deste insumo e por ser uma questão de responsabilidade social e ambiental, resolvemos colaborar paraos alagoanos  saírem desta epidemia”, afirma Elias Oliveira, Relações Institucionais da empresa. Essa não é a primeira vez que a A Beraca participa de iniciativas como  essa. Em 2010, a empresa doou aproximadamente 40 mil pastilhas de cloro para o tratamento da água no Haiti, que estava contaminada devido o terremoto que atingiu a ilha.

“O cloro é extremamente importante para a qualidade de vida da humanidade. Ele contribuiu ativamente para a redução da mortalidade causada pelo consumo de água não potável”, afirma Aníbal do Vale, presidente da Abiclor. Além de mobilizar os associados para ajudar Alagoas, a associação encaminhou eletronicamente para lá folheto informativo “Saúde começa em casa” sobre importância da água tratada e informações sobre o manuseio e uso adequado da água sanitária.

Entenda o caso

De maio a agosto deste ano, foram registrados mais de 80 mil casos e 56 mortes por conta da epidemia de diarreia em Alagoas, segundo dados da Vigilância Epidemiológica do estado. O número de doentes é quase o dobro do registrado no mesmo período do ano passado, quando a doença atingiu 47.486 alagoanos.

As autoridades acreditam que o consumo impróprio da água pode ter sido o responsável pelo surto deste ano. De acordo com o governo, a estiagem prolongada sofrida pela região também contribuiu para o caso. Órgãos de saúde do estado orientam que a população adote medidas simples de higiene, como lavar as mãos e os alimentos, além de cuidados com a água que será utilizada, a exemplo do uso do hipoclorito e da fervura, nos casos em que ela não for tratada.

Veja também

Pacto Global da ONU lança relatório sobre desperdício de água em redes de distribuição do Brasil

Em 2015, 182 bilhões de litros de água foram perdidos em vazamentos, fraudes, roubos ou ...

Um comentário

  1. You get a lot of respect from me for writing these helpful arseilct.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *